12 de março de 2020

Os dados mostram que os investidores mais bem-sucedidos são típicos "touros", ou seja, eles preferem apostar nos ganhos do mercado. Este é particularmente o caso da bolsa de valores. Como resultado, os gerentes dos maiores hedge funds e dos jogadores comuns estão em busca constante de ações subvalorizadas, que, uma vez adquiridas, podem gerar enormes lucros.

No entanto, não é apenas em um mercado crescente que você pode ganhar dinheiro: um mercado de queda, "de baixa" também pode ser lucrativo. Isto é exatamente o que o famoso filme 'The Big Short' relata vividamente. Vividamente, mas também de uma forma que nem sempre é compreensível para o público em massa.

O roteiro do filme é baseado no livro de mesmo nome do escritor americano e jornalista financeiro Michael Lewis, que disse que apenas explicar conceitos complexos ao público não é suficiente: o público precisa querer entender também. O filme especificamente se preocupa com os motivos macroeconômicos da crise no mercado de dívida assegurada por hipotecas nos EUA. E mesmo que o colunista da Forbes, Steve Danning, elogie a precisão histórica do filme, o filme - assim como o livro - não menciona o homem que mais ganhou com a crise: o bilionário John Paulson.

Paulson está longe de estar sozinho nas fileiras dos "ursos" famosos. Primeiro, vamos lembrar de onde veio o termo 'urso'.

A primeira explicação (e a mais comum) é que um urso, ao contrário de um touro que levanta seus chifres contra um adversário, desliza seu inimigo com a sua pata de cima. É possível, no entanto, que a origem do termo seja um pouco diferente. O historiador financeiro E. Morgan, por exemplo, acredita que as origens do termo se remontam ao século XVII, quando as primeiras bolsas de valores se formaram nos cafés de Londres. Já naqueles tempos, um certo número de revendedores vendeu ações que eles realmente não possuíam. Essas pessoas disseram ter vendido a pele de um urso que ainda não morreu. (Hoje, essas capas são adequadamente chamadas de futuros e opções).

Então, como você ganha dinheiro vendendo peles que você não possui?

"Em teoria, tudo parece simples", explica John Gordon, analista da corretora NordFX. "Suponhamos que você pense que os casacos feitos de peles de urso em breve cairão fora de moda. Uma coisa natural que você faria em resposta é aproximar-se de um amigo pedindo-lhe para emprestar-lhe um casaco, prometendo retorná-lo, digamos, em seis meses. Com o casado emprestado nas suas mãos, você procede a vendê-lo imediatamente enquanto ainda está em demanda, ganhando US$ 1000.

Vamos pausar aqui por um momento: você não possui um casaco de pele de urso, mas você tem $ 1000 e a obrigação de devolver o casaco ao seu amigo em seis meses.

Nos próximos seis meses, os ativistas dos direitos dos animais ganham uma vitória convincente e vestir casacos feitos de peles naturais torna-se mais do que simplesmente fora de moda: torna-se indecente. Neste ponto, você volta ao mercado, compra um novo casaco de peles com um preço de pechincha de US$ 150 e o devolve ao seu amigo, com a mais amável palavra de gratidão. O acordo foi fechado, tendo lhe trazido um lucro de US$ 850. "

"É de acordo com este esquema que os ‘ursos’ conseguem conduzir suas operações nos mercados financeiros modernos", continua John Gordon. "Somente que em vez de peles, eles agora emprestam ações e dinheiro de bancos ou fundos e, em vez de palavras de gratidão, eles retornam os juros ao credor proporcionais ao tamanho da transação ".

Provavelmente, a operação de "urso" mais famosa no mercado Forex foi o colapso da libra britânica impulsionada por George Soros em 1992, quando ele e seu Quantum Fund usaram fundos emprestados para invadir quase instantaneamente o mercado com um número colossal de libras esterlinas, o que foi equivalente a 15 bilhões de dólares.

O catalisador para esta operação foi uma citação do chefe do Bundesbank alemão Helmut Schlesinger, parafraseado pelos jornais 'The Wall Street Journal' e 'The German'. Essas publicações escreveram que, mesmo após uma contração das taxas de juros alemãs, uma ou duas moedas européias podiam estar sob pressão.

E isso foi tudo! Não eram necessárias mais palavras. Soros e o resto do mundo financeiro concluíram que uma dessas moedas podia ser a libra britânica, que na época estava muito sobrevalorizada. Soros imediatamente procedeu a vender suas libras esterlinas (ou, mais precisamente, as libras esterlinas que havia emprestado). Seguindo seu exemplo, outros financiadores correram para fazer o mesmo, e o Banco da Inglaterra, tentando manter uma taxa de câmbio fixa, foi forçado a comprar essa enorme oferta de dinheiro.

Este esforço falhou: os britânicos capitularam e, por causa de uma citação inofensiva que haviam sido mal citadas por jornalistas (e com algum grau de ajuda de Soros), a libra caiu 15% contra a marca alemã e 25% em relação ao dólar dos EUA. Como resultado, os US$ 15.000.000.000 do Quantum Fund transformaram-se primeiro em US$ 19.000.000.000 e, alguns meses depois, em US$ 22 bilhões!

Esse empreendimento de Soros reivindicou completamente um provérbio popular entre os financistas, a saber, que "o dinheiro é necessário para aumentar os preços, mas os preços só precisam do seu próprio peso para cair". 

Curiosamente, essa experiência do governo de John Major não foi a primeira vez que o Reino Unido sofreu um ataque tão "baixo". Uma ocasião notável foi observada em 1720, quando uma corrida para baixo foi iniciada pelo Parlamento britânico por meio da adoção do Royal Exchange Act, o que causou uma forte queda no preço da ação de muitas empresas. Como resultado, não eram apenas os acionistas ordinários que perderam seus recursos, mas também muitos empresários, políticos e até membros da família real. E o famoso cientista Isaac Newton perdeu toda a fortuna: 20.000 libras esterlinas (o que hoje seria cerca de 2,5 milhões), após o que ele proclamou tristemente: "Eu posso calcular o movimento das estrelas, mas não a loucura das pessoas!".

Retornando aos "ursos" contemporâneos, não podemos deixar de lembrar o nome de Jim Chanos, que, tendo começado sua carreira como limpador de neve, conseguiu subir ao cargo de vice-presidente do Deutsche Bank, antes de fundar seu próprio Hedge Fund chamado ' Kynikos ', que é traduzido do grego como "Cínico".

Este nome cínico corresponde totalmente à estratégia de Chanos, que se concentra exclusivamente na venda de vários ativos. Kynikos tornou-se mais famoso após o notório colapso da empresa energética norte-americana Enron. Em 2014, o fundo de Chanos apostou com sucesso no mergulho nos preços do petróleo e metais preciosos.

Outros jogadores notáveis incluem Jesse Livermore, cujas posições curtas de relâmpago chocaram o mercado, ganhando Livermore o apelido de "O Grande Urso de Wall Street (The Great Wall Street Bear)".

O chefe do Hedge Fund Centaurus, John Arnold, é outro "excelente" exemplo: ele recebeu um lucro de 317% com a queda dos preços do gás no verão de 2006, derrubando oseu rival, Amaranth, que perdeu cerca de US$ 6 bilhões durante uma semana.

O site financeiro SumZero avalia regularmente os principais jogadores de apostas descendentes. Entre eles estão os seguintes indivíduos notáveis:

  • Burt Ross (Wagamon Advisors), que, desde 2013, realizou três transações de sucesso, cuja maior sucesso foi uma aposta para reduzir as ações da Walter Energy: perderam 99,52% do valor.
  • Outro é o Ben Springer (Spruce Point Capital Management), cujo acordo mais frutuoso foi a venda de ações da James River Coal Company: trouxe lucro de 99,92%.

"Como você pode ver", conclui J. Gordon, "pode-se ganhar muito dinheiro, muito mesmo, com as quedas no mercado. Como o bilionário grego Aristóteles Onassis costumava dizer, para fazer isso, você só precisa saber algo que os outros não fazem ... ".


« ARTIGOS ÚTEIS
Siga-nos nas redes sociais